Apraxia da fala tem cura? Veja como tratar na infância

Tempo de leitura: 5 minutos

Sim! A apraxia da fala na infância tem cura e o tratamento exige a participação da família e de profissionais pediátricos. Logo, se o seu filho ou filha está falando de forma pouco clara e bem limitada e você suspeita do distúrbio, saiba que você pode sim ajudar.

O Blog da Casatema reuniu neste post todas as informações sobre a apraxia da fala: o que é, quais os sintomas, quem deve diagnosticar, quais as causas e quais as suas formas de tratamento. Acompanhe a leitura e tire as suas dúvidas!

O que é a apraxia da fala?

A apraxia da fala congênita é um distúrbio que faz com que a criança tenha dificuldade de emitir e articular palavras audíveis. Esse tipo de apraxia é o único que pode ser notado logo na infância, a partir dos dois anos de idade.

A fala do pequeno(a) pode vir acompanhada de sons distorcidos ou arrastados. Mas, por que isso acontece? Bom, basicamente, os músculos envolvidos nesse processo de comunicação não estão sendo comandados devidamente pelas funções neurológicas.

Pode não parecer, pois com o tempo se torna praticamente um hábito automático, mas falar é um ato que exige diversos esforços por parte do nosso corpo: os músculos da boca, da face, língua, palato e faringe são alguns dos envolvidos.

Em casos de apraxia, é como se houvesse uma falha na comunicação entre esses músculos e o cérebro.

O que acontece é que a criança consegue plenamente pensar no que gostaria de dizer, só que não consegue encontrar os meios para converter a ideia em palavras.

Ou seja, a apraxia da fala é um distúrbio que diz respeito às habilidades motoras da criança, e não às intelectuais de raciocínio (que continuam preservadas).

Veja também: Guia para estimular o desenvolvimento cognitivo infantil.

Menina tentando pronunciar sons num escritório de fonoaudiologia

Quais os sintomas da apraxia da fala?

Um atraso para aprender a falar não necessariamente indica o distúrbio da apraxia da fala.

Cada criança tem o seu próprio ritmo de aprendizado e os saltos de desenvolvimento variam muito, então é preciso identificar outros sintomas da apraxia para concluir o diagnóstico. Preste atenção nestes comportamentos:

  • Comportamento quieto em bebês;
  • Trocas na fala com frequência
  • Fala arrastada;
  • Melodia diferente, lenta ou estranha da fala;
  • Discurso com um número limitado de palavras;
  • Distorção de sons;
  • Pausas entre as sílabas ou palavras;
  • Atraso no desenvolvimento geral de linguagem;
  • Entendimento limitado do significado das palavras;
  • Problemas em construir frases;
  • Dificuldades na linguagem escrita;
  • Outras complicações motoras ao se alimentar ou mastigar.

Como você pôde ver, a dificuldade motora de linguagem da apraxia pode acabar impactando outros setores de desenvolvimento.

Esses últimos sintomas que fogem da área da fala são mais frequentes em crianças que já nascem com o distúrbio.

Quem diagnostica a apraxia da fala?

Por mais que possamos conhecer os sintomas, vale lembrar que somente um profissional qualificado pode diagnosticar a apraxia da fala e outros distúrbios motores, cognitivos ou psicológicos.

Nos casos que envolvem desordens da fala e comunicação, você deve procurar um fonoaudiólogo com experiência em tratamentos pediátricos que será capaz de diagnosticar e diferenciar o distúrbio do autismo, por exemplo, uma confusão comum entre as mamães.

Logo, caso suspeite que o seu filho ou filha tem apraxia da fala, marque uma consulta o quanto antes! O profissional pode recomendar o encaminhamento para terapeutas ocupacionais, psicólogos, neuropediatras ou outros especialistas em seguida.

Mulher ensinando menina como a fala funciona

O que pode causar apraxia da fala?

Ainda não se sabe ao certo quais são as causas da apraxia da fala congênita, no entanto, os estudiosos apontam que a sua origem pode estar relacionada com fatores genéticos ou com condições como autismo, paralisia cerebral, distúrbios neuromusculares, epilepsia ou condições metabólicas.

Num contexto geral, a apraxia da fala pode acontecer em qualquer fase da vida devido a lesões cerebrais, acidentes, infecções, AVC, tumores no cérebro ou doenças neurodegenerativas.

Apesar de serem fatores raríssimos em crianças, precisamos conhecê-los para nos atentar aos riscos.

Como ajudar crianças com apraxia da fala?

Como dissemos lá no começo, o tratamento da apraxia da fala tem cura e precisa ser feito com a ajuda tanto da família quanto de profissionais qualificados.

Na consulta, o fonoaudiólogo ou terapeuta da fala vai analisar o caso do seu filho ou filha e desenvolver um plano de sessões e exercícios para praticar em casa.

Geralmente, esses exercícios incluem atividades sensoriais, como pedir para a criança nomear objetos enquanto segura-os próximo a boca, para que assim, ela consiga direcionar o olhar para os movimentos que faz ao ‘liberar’ as palavras.

Estratégias com pistas visuais são essenciais para superar a apraxia da fala, já que conseguimos aprender observando.

Fora isso, há alguns comportamentos que podemos tomar para auxiliar os pequenos com o distúrbio. Falar com eles de forma clara, direta e calma enquanto olha nos olhos é de grande ajuda.

Devemos usar uma linguagem simples, mas que esteja de acordo com a sua idade – nada de tratar a criança como um bebê, pois isso é frustrante e pode atrasar o seu desenvolvimento.

As crianças com apraxia da fala podem parecer tímidas, mas isso nem sempre é verdade. Não hesite em chamá-la para brincar, mostrando que as suas dificuldades em se comunicar não são um impedimento para interagir com você.

É preciso ser paciente: o pequeno(a) pode demorar um tempinho para conseguir articular as palavras e não devemos apressar.

Por último, caso não entenda o que a criança falou, não finja que compreendeu só para agilizar a conversa. Ou pior, não brigue com ela e exija que fale ‘corretamente’.

Ao invés disso, podemos mostrar a ela o movimento da boca que a palavra em questão produz ou pedir que ela aponte para aquilo que está pensando.

Mulher ensinando menino a falar a letra A

Nós, do Blog da Casatema, esperamos ter te ajudado com este conteúdo! Caso queira entender mais sobre questões do universo infantil e receber dicas de maternidade humanizadas, veja outros posts que podem te interessar abaixo:

Deixe um comentário

Anterior

Introdução alimentar – Saiba como deve ser feito o método

Terrible Two: saiba como lidar com a crise dos dois anos

Próximo