,

Caixa sensorial para crianças — Veja como montar uma

Tempo de leitura: 5 minutos

Apesar da grande variedade de brinquedos disponíveis nas lojas para os pequenos – além de caros, eles costumam ser pouco ou nada estimulantes para o desenvolvimento infantil. Em pouco tempo, os brinquedos são esquecidos em algum canto do quarto, já que os gostos das crianças são tão voláteis nessa fase.

Nós, da Casatema, trouxemos a solução perfeita para esse problema! Assim como o pote de calma que ensinamos num post anterior, as caixas sensoriais são brinquedos montessorianos capazes de estimular o desenvolvimento motor e até cerebral das crianças!

E o mais: pode ser feito em casa, com ‘ingredientes’ bem simples. Quer saber mais sobre a tal da caixa sensorial e como criá-la? Então continue a leitura!

O que é uma caixa sensorial

Uma caixa sensorial é uma espécie de brinquedo feito de componentes de diferentes tamanhos, texturas, cores e sons que estimulam a imaginação e os 5 sentidos das crianças. Praticamente todo o aprendizado da infância acontece por meio da visão, olfato, paladar, audição e tato, então, encorajar esses aspectos é essencial para ativar e desenvolver os neurônios.

Reconhece essas ideias de algum lugar? O aprendizado multissensorial é inspirado no método montessoriano criado por Maria Montessori, uma pedagoga que entendia que as crianças precisavam de mais autonomia para desenvolver a sua habilidade natural e aguçada de aprender.

É isso que a caixa sensorial faz: dá uma oportunidade para que as crianças explorem objetos de seu interesse e aprendam, por si só, a interagir com o meio social.

Tudo isso é alcançado ao posicionar diferentes objetos numa simples caixa de plástico, papelão ou madeira, proporcionando um cenário interessante para entreter os pequenos.

Para que serve a caixa sensorial

Agora você já sabe o que é esse tipo de brinquedo e método que o apoia, mas precisa conhecer mais a fundo os seus benefícios! A caixa sensorial serve para oferecer diferentes estímulos à imaginação e aos sentimentos das crianças, despertando o seu interesse e curiosidade pelo mundo ao redor. Ou seja, é uma forma de entretimento!

Enquanto diverte os pequenos, a caixa sensorial está contribuindo para a fase de desenvolvimento das suas habilidades motoras finas (pintar, desenhar e manusear objetos) e até algumas habilidades motora grossa (mover, preencher, esticar os braços).

No âmbito neurológico, a caixa sensorial serve para aumentar a concentração, a imaginação e a percepção de sentidos das crianças.

Bem bacana, né? Esses benefícios são tão relevantes para o aprendizado infantil que diversas escolas e creches adotaram o uso das caixas sensoriais!

Prepare esse brinquedo dentro de casa mesmo, com o seu pequeno ou pequena, como você vai ver no passo a passo simplificado que nós separamos abaixo – aliás, essa é uma ótima ideia para inserir no mesversário de bebês e entreter toda a criançada!

Como criar a caixa sensorial

A única regra para realizar essa atividade montessoriana é considerar a faixa etária da criança que vai usá-la: se a criança é muito pequena e ainda costuma colocar os objetos que vê pela frente na boca, opte por deixar a caixa livre de pedrinhas e outros itens pequenos que podem ser ingeridos.

Nesses casos, fique com as versões de caixas fechadas ou com água de base. Dito isso, saiba que, muito provavelmente, você já possui todos os itens para criar uma caixa sensorial na sua casa. Veja só o passo a passo:

1. Escolha a caixa e a base

A caixa pode ser de plástico, utilizando um bowl, uma Tupperware ou uma bacia, de papelão ou mesmo um caixote de madeira. A opção que nós mais recomendamos é a primeira, pois o plástico suporta qualquer base que você escolha, enquanto as outras caixas não podem receber água ou peso extra.

Além disso, os recipientes de plástico geralmente têm tampa, então fica mais fácil guardar a brincadeira e reutilizá-la outro dia.

Com a caixa escolhida, decida qual será a base, o ‘ingrediente’ principal que esconderá os objetos para que as crianças possam procurá-los – arroz, grãos, serragem, areia, terra, cascalhos, bolinhas de gel e pedrinhas de jardim são algumas da opções.

2. Escolha o tema

Essa etapa não é obrigatória, porém, ajuda a aumentar as possibilidades de cenários e estimular ainda mais a imaginação das crianças.

O tema pode ser selva, cozinha, fundo do mar, corrida de carrinhos, pomar, jardinagem, construção, zoológico, escavação arqueológica, mundo dos insetos, fazenda e por aí vai – considere as preferências dos pequenos e deixe a imaginação fluir!

3. Escolha os brinquedos

A última etapa é selecionar, a partir do tema, os componentes do cenário. No caso do fundo do mar, por exemplo, procure inserir miniaturas de peixes e outros animais marinhos, barquinhos, algas e objetos semelhante, enquanto a base pode ser de areia, água ou bolinhas de gel. Prontinho, uma caixa sensorial perfeita em mãos!

Dica extra: a caixa sensorial pode ser do estilo de escavação (a criança procura os brinquedos e monta cenários), mas também pode ser de exploração e raciocínio, em que há um caixa de papelão com buracos cortados em diferentes formatos e os pequenos precisam encaixar os objetos nos lugares certos, por exemplo.

Quer mais uma ideia incrível de uma atividade divertida e educativa?

Que tal cozinhar com as crianças? Além de ser uma forma de unir a família e entreter as sextas à noite em casa, as opções de lanche saudável que separamos no nosso post sobre o assunto são deliciosas – teste por aí e conte para a gente o que achou!

About Leandro Varela

Deixe um comentário

Anterior

Quadro de tarefas infantil — Dicas para montar um

Lista de tarefas domésticas para os filhos por idade

Próximo