Educação montessoriana: 5 características do aprendizado

Tempo de leitura: 5 minutos

Você já conhece a metodologia ativa para crianças? E a educação montessoriana? Bom, os dois métodos têm 2 pontos em comum: o incentivo da autonomia infantil, que é uma característica importantíssima para o desenvolvimento das crianças.

Neste post, convidamos você para conhecer as características da educação Montessori e saber como uni-las com metodologias ativas:

1. Incentiva a autonomia infantil

A autonomia infantil é um dos maiores benefícios do método montessoriano, além de ser um dos pilares do desenvolvimento dos pequenos. Sem sombra de dúvidas, ela tem influência em todos os anos seguintes do bebê.

Uma criança autônoma tem a iniciativa como uma de suas características principais: é uma criança que não espera receber comandos para começar as atividades.

Essa característica é escalável para outras áreas da vida, além do aprendizado. Por exemplo, ela sugere brincadeiras para as outras crianças, monta as refeições no prato sozinha, decide qual roupa quer usar, etc.

Sem sombra de dúvidas, o desenvolvimento da autonomia na infância é muito importante para a formação de adultos proativos.

Dicas para aplicar em casa:

  • A cama montessoriana é o ponto mais importante do quarto, afinal, o bebê precisa de autonomia para deitar quando sentir sono e sair ao acordar;
  • Tenha um banco para adaptar o assento do vaso sanitário e um banquinho como degrau para alcançar o assento sem ajuda;
  • Invista em assentos estofados, pois os pequenos têm uma fase intermediária. São grandes para as cadeirinhas de alimentação, mas pequeninos demais para a mesa de jantar. Use o assento para deixá-los à altura.

2. Estimula os cinco sentidos sensoriais

Os cinco sentidos sensoriais são: paladar, olfato, tato, audição e visão. Na infância, como eles estão em processo de amadurecimento, a criança os utiliza com muito afinco e, em grande parte das vezes, inconscientemente.

Maria Montessori escreveu um livro sobre isso, “Mente Absorvente”, em que destaca como a criança capta tudo o que está ao seu redor. Por isso, uma sala de aula, um quarto infantil e outros ambientes que consideram esse processo de amadurecimento são muito ricos para os pequenos.

A estimulação acontece através de diversos fatores, incluindo a psicologia das cores e a musicalização infantil. Além, claro, das metodologias ativas que colocam as crianças em movimento, ou seja, estudam através de jogos (gamificação), brincam com objetos táteis e fabricam os próprios brinquedos (slime, massinha de modelar, etc.).

3. Propõe a colaboração entre crianças

O que você lembra sobre projetos em grupo da escola? Provavelmente, uma das memórias que vêm a sua mente é que há pessoas que colaboram e outras não, correto? A longo prazo, esse comportamento não-proativo se torna bem ruim em adultos, ainda mais no mercado de trabalho.

Com a educação baseada nos dois métodos em questão, as crianças recebem logo cedo boas coordenadas de como colaborar com os demais.

Depois de ensinadas, essas habilidades são colocadas à prova em trabalhos em grupos para solucionar problemas e desenvolver projetos do zero.

Outro detalhe importante é: os pequenos não permanecem com a mesma equipe. A cada atividade, há uma rotatividade entre os grupos, assim, eles aprendem a se comunicar e a lidar com diferentes personalidades, maneiras e culturas.

Que mãe e pai não querem garantir um futuro promissor ao seu filho? A educação Montessoriana é um grande passo para incentivá-lo!

4. Desperta o protagonismo infantil

Um protagonista é a figura central da história, alguém que detém as rédeas das suas escolhas e consegue alcançar seus objetivos sem depender do externo. A educação montessoriana utiliza o mesmo conceito.

Nós, como adultos, podemos facilmente entender porquê é tão importante que os pequenos sejam o centro das suas próprias vidas, mas eles não nascem com essa consciência. E nem deveriam, claro!

Em seus primeiros anos, é fundamental que as crianças saibam que podem contar com os seus pais e responsáveis para tudo que elas precisarem. Mas, conforme o tempo passa, elas precisam dominar certas atividades de forma autônoma.

Exemplos: escolher a própria roupa antes de sair de casa, montar o prato com os alimentos que desejam comer e pegar os brinquedos para brincar. Todas essas ações fazem parte do espectro que a educação Montessoriana atinge e despertam o senso de protagonismo infantil.

Um dos costumes dos pais é brigar quando a criança pega muitos brinquedos e não os arruma depois. Mas deixe que peguem. Ao final de brincadeira, chame-os para arrumar. Assim, motiva-os a brincar e nas próximas vezes, eles lembrarão que tudo que pegarem terão que guardar.

Note, uma das dicas primordiais para os adultos é: evitem as regras desnecessárias, mas saibam o momento de colocar os limites. Assim, a liberdade e protagonismo infantil são respeitados e desenvolvidos.

Veja também: como estabelecer regras da casa com os filhos

5. Encoraja a criatividade

Segundo o livro Confiança Criativa, após a infância nós adormecemos o nosso lado inventivo, ou seja, perdemos a imaginação. O que é longe do ideal! A falta de criatividade torna-se uma paralisia na vida adulta, fazendo com que o indivíduo tenha dificuldade em pensar fora do padrão.

O ato de encorajar a criatividade na infância quebra esse paradigma. Naturalmente, as crianças têm essa caraterística intrínseca nos seus primeiros anos de vida, mas aos 3, 5 e 7 anos sofrem a poda neural.

Com base nos estudos da Neurologia Pediátrica, a poda neural consiste em eliminar os neurônios não usados. O processo é irreversível. Por isso, quanto mais estímulos a criança recebe, mais neurônios são utilizados, o que consequentemente ameniza a “destruição criativa”.

Incentive a criatividade da seguinte maneira:

  • Promova o contato com a natureza;
  • Escute ativamente as histórias;
  • Brinque de faz de conta;
  • Ouçam músicas aleatórias juntos;
  • Movimentem o corpo;
  • Desafie a criança a fazer diferente.

Gostou das características da educação montessoriana que listamos? E das suas metodologias ativas? Veja também as atividades montessorianas para fazer com as crianças em casa!

Deixe um comentário

Anterior

Consulta com pediatra – o que é, por que e quando levar?

O que é Feng Shui? Entenda para que serve e como aplicar

Próximo